quarta-feira, 9 de junho de 2010

Mãe aos 25...


O que fazer quando se espera um bebê? No começo fiquei perdidinha. E minhas baladas? Minha liberdade? Meu mundo particular? Mas esse conflito foi só por algumas horas.
Em meio a um furacão de emoções que acontecia na minha vida, descobri mais uma, aquela que revolucionaria meu ser: Maria Clara. Na hora da notícia meu coração acelerou, mas em momento nenhum me bateu tristeza. Insegurança sim, tristeza jamais. Não foi fácil. Mas quem disse que seria?

Mãe aos 25. Uma boa hora? Uma idade bacana? Precipitada? Definitivamente minha idéia de planejamento, estabilidade financeira, casa própria, carro, condições extremas de dar luxo à minha pequena ficaram para trás. Ter um emprego razoável foi o suficiente. Ora eu me achava nova demais para amar e cuidar, ora eu me achava competente o suficiente. Me convenci. Quando me vi redonda no espelho me senti a gordinha mais linda e feliz do mundo! A partir de então, conheci o famoso amor incondicional, o amor de mãe para filho. Mesmo sem ver a carinha, sem saber o sexo, me apaixonei! E é assim até hoje. E vai ser assim para sempre!

Acordar todo dia com um sorrisinho não tem preço. 4 meses se passaram após seu nascimento, e cada dia mais descubro algo novo. A maternidade mexeu comigo. Cresci. Amadureci ao mesmo tempo em que voltei a ser criança. É assim que quero criá-la. Ao mesmo momento que não vejo a hora de os anos passarem, quero que o mundo pare para tê-la sempre aqui, pertinho, pequenininha. A vida passa. Os dias vêm e ela me mostra uma novidade a cada minuto. Só sei que nada sei, mas é assim que quero passar o resto da minha vida: descobrindo o que minha mãe descobriu quando eu nasci. Ensinando tudo o que aprendi, e aprendendo com minha pequena.

Hoje, sou mãe, menina, mulher, profissional, filha... divido meu tempo entre família, trabalho e amigos. Não perdi minha feminilidade, meu leque só aumentou o tamanho. Hoje, quase tudo o que faço é para ela, e por ela. Por ela sorrio mais e reclamo menos. Por ela trabalho mais. Por ela... e por mim. Por mim eu faço tudo isso, porque ela faz parte do meu ser. Meu chaveirinho.
Eis a razão da minha vida, a partir dos 25...

AUTORIA:Nara Geórgia

Um comentário:

  1. Ahhhh, a minha amiga é mesmo linda, carinhosa, competende, cuidadosa. Nara é uma das poucas pessoas que conheço que transpira amor.

    ResponderExcluir